sábado, 24 de dezembro de 2011

O Nascimento de Jesus

Por aqueles dias, saiu um édito da parte de César Augusto, para ser recenseada toda a terra. Este recenseamento foi o primeiro que se fez, sendo Quirino governador da Síria. E iam todos recensear-se, cada qual à sua própria cidade. Também José deixando a cidade de Nazaré, na Galileia, subiu até à Judéia, à cidade de David, chamada Belém, por ser da casa e da linhagem de David, a fim de recensear-se com Maria, sua mulher, que se encontrava grávida. E quando eles ali se encontravam, completaram-se os dias de ela dar à luz e teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoira, por não haver lugar para eles na hospedaria. Na mesma região encontravam-se pastores, que pernoitavam nos campos guardando os seus rebanhos durante a noite. O anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu em volta deles, e tiveram muito medo. Disse-lhes o anjo: “Não temais, pois vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.” De repente, juntou-se ao anjo uma multidão de exército celeste, louvando a Deus e dizendo: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de Seu agrado.” Quando os anjos se afastaram em direcção ao Céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos então até Belém e vejamos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.” Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino, deitado na manjedoura. E quando os viram, começaram a espalhar o que lhes tinham dito a respeito daquele Menino. Todos os que os ouviram se admiraram do que lhes disseram os pastores. Quanto a Maria, conservava todos essas coisas ponderando-as no seu coração. E os pastores voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham visto e ouvido, segundo lhes fora anunciado.

Lucas 2,1-20

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Mariah Carey

All I Want For Christmas Is You

Porque não há Natal sem esta música!

Troque as voltas à ceia de Natal

Em plena época de mesa farta, como sobreviver à tentação sem prescindir do prazer de saborear bons momentos? Sirva-se de pequenas quantidades e seja a pessoa que se alimenta mais devagar. Para muitos, o Natal representa uma excepção à regra no âmbito das dietas alimentares. Mas nem todas as pessoas convivem bem com a ideia de comer em excesso. Há que saber encontrar um ponto de equilíbrio. Um Natal com mais sabor e menos calorias só depende de si.

Entradas: preparar o apetite
Começando a refeição com a entrada certa, irá acalmar o apetite, preenchendo o estômago de forma inofensiva e deixando menos espaço para as sobremesas. Comece por saborear uma sopa de legumes. A sopa é sempre uma boa alternativa, já que é um alimento rico em água e em fibras que promovem uma boa digestão dos nutrientes. Simultaneamente, proporciona uma sensação de saciedade, acalmando o apetite. Evite os purés de feijão ou de grão, preferindo caldos de legumes.
Bebidas: beber com moderação
As bebidas alcoólicas acrescentam muitas calorias a uma refeição. Por isso, nada de abusos. Em plena época de festa, tem todo o direito de beber um ou dois copos de vinho. Mas evite os excessos e procure saborear bem cada momento. E se tiver sede, beba água mineral.
Bacalhau: o rei da festa
O bacalhau é um alimento saudável, rico em proteínas e pobre em gordura. Só se lhe juntar natas ou maionese é que irá consumir calorias em excesso. Evite o bacalhau demasiado salgado e prefira bacalhau cozido. Utilize sempre azeite, rico em ácidos gordos monoinsaturados, benéficos para a saúde cardiovascular. Prefira azeite nacional virgem extra, com acidez inferior a 1%. Servindo o bacalhau com vegetais cozidos, poderá ingerir fibras, clorofila e vitaminas do complexo B e C. Ricas em fibra e praticamente isentas de calorias, as couves permitem uma maior sensação de saciedade, atrasando a absorção de açúcares.
Sobremesas: fruta, nunca é demais
No Natal, a fruta é muito utilizada para decorar a mesa. Aproveite o facto da fruta estar à mão e dê preferência às frutas frescas da estação ou mesmo a frutas exóticas. Assim, poderá relegar as sobremesas mais calóricas para segundo plano ou mesmo para fora das refeições. E se não consegue resistir aos doces, opte por apenas um ou dois doces de colher. Sirva-se de pequenas quantidades e seja a pessoa que se alimenta mais devagar. Deste modo, irá até saborear o seu doce melhor do que todos os outros.
Fritos: saboreie o lado mais saudável
O Natal não seria o Natal sem sonhos, filhoses, azevias ou rabanadas. Mas, frequentemente, as receitas abusam da quantidade de gordura, açúcar e ovos. Em nome de um Natal mais saudável, siga estas dicas: Para as frituras, use óleo de amendoim de origem vegetal, pois aguenta muito bem as altas temperaturas. Sempre que possível, substitua o grão e batata doce pela abóbora. Reduza para metade a quantidade de açúcar sugerida nas receitas, substituindo a metade restante por adoçantes, como por exemplo a frutose. Este adoçante é 100% natural, possuindo cerca do dobro do poder adoçante do açúcar. Deste modo, metade da quantidade bastará para tornar a receita doce ao paladar. Em vez de polvilhar sobremesas com açúcar, utilize geleia de milho para conferir brilho. Substitua farinhas refinadas por produtos integrais. Evite o leite gordo e dê preferência ao leite meio gordo ou ao "leite" de soja.
Frutos secos: calóricos mas nutritivos
Mais de 50% de composição dos frutos secos é gordura. Mas trata-se da chamada "gordura boa", ou seja, óleos vegetais monoinsaturados que favorecem a redução do colesterol e ajudam a combater as doenças de coração. Mas não deixam de ser alimentos muito calóricos (cerca de 600 calorias/100 gramas), pelo que se devem consumir com moderação.
Frutas cristalizadas: um alimento a evitar
As frutas cristalizadas são bastante calóricas. Sempre que possível, prefira fruta fresca cujo valor calórico é bastante reduzido, sendo uma boa fonte de fibras, vitaminas e minerais. Para finalizar, tenha sempre em conta que as papilas gustativas encontram-se na boca e não no estômago. Por isso, procure desfrutar ao máximo das subtilezas do paladar e concentre-se na textura e no aroma dos alimentos. Além de evitar a ingestão rápida e automática de calorias, irá desfrutar mais intensamente destes doces momentos de prazer.

in Rituais de Vida Saudável

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Porque nós somos do tamanho do que vemos e não do tamanho da nossa altura

Onde você vê um obstáculo,
alguém vê o término da viagem
e o outro uma chance de crescer.
Onde você vê um motivo pra se irritar,
alguém vê a tragédia total
e o outro vê uma prova para sua paciência.
Onde você vê a morte,
alguém vê o fim e o outro vê o começo de uma nova etapa.
Onde você vê a fortuna,
alguém vê a riqueza material
e o outro pode encontrar a dor e a miséria total.
Onde você vê a teimosia,
alguém vê a ignorância e o outro pode compreender
as limitações do companheiro,
percebendo que cada qual caminha
em seu próprio passo e que é inútil querer apressar
o passo do outro, a não ser que ele deseje isso.
Cada qual vê o que quer, pode ou consegue enxergar.
Porque nós somos do tamanho do que vemos
e não do tamanho da nossa altura

Fernando Pessoa

O Sobreiro é a Árvore Nacional de Portugal

Associação Árvores de Portugal
www.arvoresdeportugal.net

Hoje, dia 22 de dezembro, pelas 12 horas e 36 minutos, o Parlamento português aprovou, por unanimidade, o Projeto de Resolução que institui o sobreiro como a Árvore Nacional de Portugal.
Neste momento histórico, as Associações Árvores de Portugal e Transumância e Natureza gostariam de agradecer a todos os que divulgaram e apoiaram a nossa iniciativa e, em particular, aos que assinaram a petição por nós criada. Gostaríamos de sublinhar a preciosa ajuda da Rota da Cortiça, na pessoa da Dr.ª Sofia Carrusca, incansável no empenho a esta causa.
De igual modo, um agradecimento à autarquia de Coruche, na pessoa da Dr.ª Susana Cruz, pelo convite que nos permitiu estarmos presente na última edição da FICOR, na qual recolhemos um número significativo de assinaturas e de outro tipo de apoios.
Por último, mas não menos importante, um especial agradecimento ao Sr. deputado Miguel Freitas, por todas as diligências que efetuou, junto dos seus colegas deputados, através das quais se conseguiu que, por unanimidade, o Parlamento aprovasse, no dia de hoje, o Projeto de Resolução n.º 123/XII/1.ª, que institui o sobreiro como um símbolo nacional.
É uma decisão que dedicamos a todos os que, ao longo da história, devotaram a sua vida à investigação e à defesa desta espécie, caso do engenheiro Joaquim Vieira Natividade, mas também a todos os milhares de portugueses que trabalharam, e trabalham, no setor corticeiro, desde os empregados fabris aos tiradores de cortiça.
É um dia histórico para Portugal ou, como tão bem disse hoje, no Parlamento, o deputado Miguel Freitas:
A partir de agora, sempre que se abaterem sobreiros, não se abate apenas uma espécie protegida, abate-se um símbolo da nação.
Pegando nestas palavras, as Associações Árvores de Portugal e Transumância e Natureza relembram que o dia de hoje é um ponto de partida e não um ponto de chegada. Muito há ainda a fazer na defesa desta espécie. Como sempre, estamos inteiramente disponíveis para continuar a lutar, com aqueles que a nós se quiserem juntar, na defesa das causas relacionadas com o sobreiro e os seus povoamentos.
Hoje é o primeiro dia do resto da vida dos sobreiros e dos sobreirais…
Viva o sobreiro!

Associação Árvores de Portugal

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Wham!

Last Christmas

Esta foi uma das músicas favoritas de Natal da minha adolescência.

Presente de Natal Alentejano...

Estouuuu... é da polícia?
- É sim, em que posso ajudá-lo?
- Queria fazer quexa do mê vizinho Maneli. Ele esconde droga dentro dos troncos da madeira para a larera.
- Tomámos nota. Muito obrigado por nos ter avisado.
No dia seguinte os agentes da polícia estavam em casa do Manel. Procuraram o sítio onde ele guardava a lenha, e usando machados abriram ao meio todos os toros que lá havia, mas não encontraram droga nenhuma. Praguejaram e foram-se embora.
Logo de seguida toca o telefone em casa do Manel.
- Atão Maneli, já aí foram os tipos da polícia?
- Já.
- E racharam-te a lenha toda?
- Sim
- Então feliz natal, amigo! Esse foi o mê presente deste ano!

Anónimo

Prevenir Conflitos de Consumo

Guia para download no Portal do Consumidor
www.consumidor.pt

Antes de comprar
  • Informe-se se as características do produto/serviço se adequam à sua necessidade.
  • Compare preços.
  • Informe-se sobre as condições de troca.
  • Informe-se sobre a garantia e a assistência pós-venda.
  • Se necessário peça orçamento escrito e descriminado.
  • Se houver contrato escrito peça tempo para o ler atentamente. Não decida de imediato.
  • Informe-se sobre as condições de entrega do bem e eventuais custos.
  • Evite tomar decisões de compra por impulso, sobretudo nas vendas na rua, à porta, por telefone, em excursões, etc... é preferível ter tempo para pensar melhor e aconselhar-se.
Quando receber o produto/serviço
  • Veja se as condições do contrato estão de acordo com o que pretende.
  • Verifique o produto no acto da entrega.
  • Veja qual o documento que serve de garantia.
  • Guarde a factura/recibo, é necessário em caso de pretender trocar ou reclamar.
  • Caso o vendedor permita trocas ou devoluções não obrigatórias (troca/devolução de bens sem defeito), guarde o documento que o comprove e verifique as condições em que tal pode ser feito.

Atenção ao conteúdo dos contratos escritos
Verifique se o que está escrito nas cláusulas do contrato é bem claro para si e não assine documentos sem os ler cuidadosamente e compreender o que está a assinar. Peça tempo para reflexão e aconselhe-se em caso de dúvida.
No caso de uma compra a crédito pode estar a assinar mais do que um contrato: um de compra e venda e outro de crédito que, por vezes, aparecem no mesmo documento. Verifique todas as condições.

in Portal do Consumidor

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Portugal continua líder mundial na cortiça

Portugal lidera a produção e transformação de cortiça no mundo, mas 59% das empresas do sector têm até quatro trabalhadores

No mundo da cortiça, Portugal é a grande potência internacional, mas ter a liderança do sector e grandes empresas como a Corticeira Amorim, também é compatível com micro e pequenas unidades, mostra um estudo de caraterização da fileira promovido pela Associação Portuguesa da Cortiça - APCOR.
O trabalho sobre a evolução das tendências entre 2000 e 2010, revela que 59% do universo corticeiro em Portugal é composto por empresas que possuem até 4 trabalhadores e 51,4% das unidades têm um volume de negócios inferior a 0,5 milhões de euros.
Do outro lado do espelho,há 19 empresas com um volume de negócios superior a 10 milhões de euros. Juntas, pequenas e grandes unidades fazem de Portugal o maior produtor mundial de cortiça, com um total de 100 mil toneladas, quase 50% do valor global.

482 milhões em I&D
O estudo, com base em números de 2009, indica que a cortiça movimenta 597 empresas em Portugal, com um total de 8.723 trabalhadores e 70% deste universo está vocacionado para a produção de rolhas.
Relativamente à area de investigação e desenvolvimento, a APCOR refere que a indústria corticeira atraiu investimentos de 482 milhões de euros na última década e soma 44 processos relacionados com a concessão de patentes de invenção nacional e 13 processos associados a patentes de invenção europeia.
Além da liderança industrial, Portugal tem, também, a maior área de sobreiro do mundo, concentrando 34% da floresta mundial de sobro.

Margarida Cardoso
in Expresso

Ser saudável em tempo de crise

É possível ser ecológico, fazer uma alimentação saudável e ainda poupar dinheiro.
Reduzir, reciclar, reutilizar é a melhor máxima a seguir no que toca a proteger o ambiente. Isto aplica-se a tudo, desde o teu local trabalho, à tua higiene, ao jardim e até à cozinha.
Numa época em que tanto se fala de crise nas famílias portuguesas, nada melhor do que ter em conta algumas dicas para não só poupar o ambiente, mas também para poupar na carteira. E o melhor de tudo é que ainda conseguirás uma alimentação mais saudável.
  • Aproveita talos de couves, brócolos, couve-flor e alfaces. Usa também as folhas das cenouras e dos rabanetes. É um desperdício deitá-los fora, usa-os na sopa ou estufados, ou ainda em cru cortados em pequenos pedaços nas saladas.
  • Se usares fruta e legumes biológicos, podes aproveitar as cascas da maioria. As cascas dos legumes não biológicos podem conter pesticidas usados na sua produção, por isso convém lavá-los muito bem antes de os utilizar. A curgete e a cenoura muito bem lavadas podem ser usadas com casca. A casca da laranja e do limão servem para reconfortantes infusões ou para apaladar alguns pratos.
  • Não deites fora a água em que cozes os legumes. Usa-a para a sopa ou para cozer o arroz.
  • A água de cozer batatas ou massa também pode ser usada para fazer pão, juntar à sopa ou simplesmente para regar as plantas.
  • Não deixes a fruta estragar-se. Quando estiver muito madura, prepara batidos, purés, gelatinas vegetais ou faça compotas. A maioria da fruta também pode ser congelada.
  • Aproveita pão duro para fazer pão ralado ou açorda.
  • Faz patés vegetais em casa, aproveitando restos de legumes.
  • Torna o teu sal, azeite e vinagre aromáticos. Junta-lhes ervas aromáticas secas, tais como orégãos, tomilho, alecrim, ou alho, por exemplo.
  • Não deites fora comida. Reinventa receitas com os restos de comida. Resto de arroz dá um excelente empadão, sobras de batatas ou outros legumes cozidos podes usar na sopa, restos de estufados usa para recheio de rissóis. Em alternativa, podes também congelar a maioria dos alimentos e consumir num dia em que tenhas menos tempo para cozinhar.
  • Faz mais refeições com alimentos crus. Irás poupar muito gás, e a tua saúde também agradece, além de que ficas com mais tempo para a família.
  • Desliga o forno ou o gás 5-10 minutos antes da comida estar pronta. O calor irá acabar de cozinhar os alimentos. Se usares uma chapa difusora, para além de distribuir melhor o calor da chama durante a cozedura, mantém esse calor por mais tempo quando desligares o fogão.
  • Cozinha maiores quantidades e congela ou guarda no frigorífico. Por exemplo, podes fazer uma grande panela de sopa e congelar metade.
  • Planta as tuas ervas aromáticas. Com 2 ou 3 vasos, conseguirás uma boa variedade de plantas e não precisarás de comprar molhos de ervas aromáticas, que muitas vezes nem consegues gastar todos, antes que se estraguem.
  • Aproveita as plantas espontâneas que nascem na horta ou jardim: beldroegas, hortelã, camomila, dente-de-leão. Usa-as em saladas ou em infusões.
  • Compra produtos a granel e em embalagens grandes. Por exemplo, compra garrafões de azeite em lagares ou cooperativas e guarda-os em lugares escuros e frescos para não rançarem.
  • Não compres produtos caros e desnecessários para desinfectar fruta e legumes, usa simplesmente umas gotas de vinagre misturadas na água para lavar brócolos, couve-flor ou alface.
  • Faz o seu próprio leite de soja, tofu ou iogurtes.
  • Cozinha em panela de pressão ou a vapor. A cozedura é mais rápida, saudável e usa menos água.
  • Aproveita a água de lavar os legumes para regar as plantas. O ideal é ter sempre debaixo da torneira do lava-louça uma taça grande onde vais recolhendo água.
Na secção de receitas do Centro Vegetariano encontra muitas sugestões para pôr em prática algumas destas dicas.

in Centro Vegetariano

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O melhor museu português de 2011 dedica-se ao papel

Museu do Papel
Rua de Riomaior, 338
4535-301 Paços de Brandão
Portugal
Telf.:+[351] 227442947
email:geral@museudopapel.org
www.museudopapel.org

O Museu do Papel, no concelho de Santa Maria da Feira, foi eleito o Melhor Museu Português de 2011 pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Entre os distinguidos com os prémios museológicos contam-se ainda exposições da Gulbenkian ou Museu de Arte Antiga e a informação turística do Castelo S. Jorge, do Funchal ou Vila Velha do Ródão.
No caso de melhor museu, a distinção foi para o Museu do Papel, em Paços de Brandão (Santa Maria da Feira), inaugurado há 10 anos e dedicado a mostrar a produção manual e industrial do papel desde 1708 no concelho e noutras fábricas do país. O museu integra duas antigas fábricas de papel, do início do séc. XIX: antiga Fábrica de Papel de Custódio Pais e antiga Fábrica de Papel dos Azevedos. Possui uma exposição permanente, que inclui peças e maquinaria ou uma roda hidráulica, realiza mostras temporárias temáticas e eventos, tem um serviço educativo (com visitas escolares, actividades e oficinas) e uma loja com produtos artesanais criados e produzidos no museu.
Além do prémio para o museu, foram atribuídas menções honrosas ao Aquário Vasco da Gama, ao Museu da Santa Casa da Misericórdia de Viseu e ao Mimo - Museu da Imagem em Movimento, em Leiria.
Na categoria da Melhor Exposição do ano, foi distinguida Invenção da Glória. D. Afonso V e as Tapeçarias de Pastrana, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa. Uma menção honrosa coube à exposição sobre o Tarrafal patente no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira. O Museu de São Roque, pela integração do Cofre Relicário de São Francisco Xavier, e o Museu Nacional de Arte Antiga, pela doação do acervo de Castro Pina, foram distinguidos com o Prémio Incorporação.
No Prémio Projecto Internacional, foi distinguida a exposição Património de Origem Portuguesa no Mundo, da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris, e houve ainda uma menção honrosa para a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, pela exposição Au fil du temps: um percurso fotobiográfico de Maria Helena Vieira da Silva, realizada no Museu Óscar Niemeyer, em Curitiba, no Brasil.
Para Personalidade do Ano na Área da Museologia, a APOM já tinha anunciado a escolha de Luís Casanovas, 85 anos, especialista em conservação e prevenção nos museus. Destaque ainda para o prémio Informação Turística/Visitantes, atribuído ao Castelo de S. Jorge, à Promoção do Turismo Cultural no Funchal e à Promoção Turística da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão.

in Fugas