sábado, 1 de setembro de 2012

As surpresas da semana

1 - A piscina do hotel The Yeatman, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, foi considerada uma das 12 mais bonitas a nível mundial, capaz de "dar a volta à cabeça" a quem por lá passa. A escolha é da revista Condé Nast Traveler, a mais importante publicação de turismo e lazer do mundo.

2 - O novo "Moura Encantada" vai andar a passear de Castelo Branco até Cedillo. O barco chega ao cais no início de Setembro e junta-se ao "Balcón del Tajo", uma embarcação que já oferecia o mesmo percurso.

3 - Amostra: Cabelos estragados, desvitalizados, baços, ásperos e pontas espigadas, diz-lhe alguma coisa? A pensar nas nossas fãs, temos 10.000 kits de amostras TR5 para oferecer. Peça já a sua.

4 - A colecção de arte que Oliveira e Costa, antigo presidente do grupo BPN/SLN, acumulou secretamente durante vários anos, e que vale mais de 85 milhões de euros, vai ser exibida ao público no início de 2013, antes da realização de um grande leilão mundial destinado a vender todas as obras. Os famosos quadros do pintor espanhol Joan Miró, que ficaram na posse do Estado desde a nacionalização do banco, vão ser expostos no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

5 - Maçons desconfiam de infiltração no sistema informático. 1500 nomes tornados públicos. “Alguém se infiltrou”, admite António Arnaut

6 - Promoção Conforama: até – 30% de desconto em Têxtil Cama.

7 - Jogos Paraolímpicos 2012. Nadadora Simone Fragoso consegue o seu melhor resultado de sempre

8 - Uma artista paraplégica conseguiu fazer mergulho graças ao protótipo de uma cadeira de rodas subaquática. A performance acrobática de Sue Austin será uma das atrações da Olimpíada Cultural, evento paralelo aos Jogos Paralímpicos deste ano. 'Creating the Spectacle!' Online - Part 1 - Finding Freedom

9 - Promoção Foreva - Coleção Senhora /Outono/Inverno'12: Na compra de um artigo da nova coleção de valor igual ou superior a 80€ oferecem umas sandálias à escolha entre os três modelos.

10 - Belas Flores de Cortiça

11 - This video will show you many wine cork craft ideas, you can make, cork board, serving tray, bird house, trivet, key chain, floating key chain, napkin holder, cork box, candle holder and many other ideas, this is a great way to recycle wine corks and make something useful for your house.

12 - Passatempo: a Smiling Toys vai oferecer um caderno e uma caneta das Paper Doll Mate (participa até 15 Setembro 2012).

13 - Os animais são também o apoio emocional de muita gente que de outra forma estaria muito mais só e desamparada. Facilitar o acesso à saúde dos animais é mais uma forma de gerar bem-estar na nossa sociedade. Um bom exemplo vindo do Brasil que deveríamos implementar rapidamente. Hospital de cães e gatos está a todo vapor.

14 - Suécia ensina respeito pelos animais às crianças

15 - Descubra a nova aplicação “Calendário de ciclos Clearblue”. Transfira-a para o seu computador e comece a usá-la imediatamente - quer pretenda engravidar, quer queira simplesmente entender os seus ciclos.

16 - Bebés de parto normal têm níveis de QI mais altos do que os de cesariana

17 - Um estudo na Islândia mostra que, a cada ano que passa, os espermatozóides do pai têm, em média, mais duas mutações novas no seu genoma que transmitem aos filhos

18 - Vales de desconto da KFC Portugal

19 - Dormir em mosteiros (III): Carmelo de Bande

20 - Os resultados de uma pesquisa que antecedeu a assembleia de padres da Diocese da Guarda realizada em maio criticam as manifestações de posse de bens materiais de alguns sacerdotes e pedem ao clero que reforce a sua espiritualidade.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Número solidário ALAAR

760 303 160 (0.60 eur + IVA)
Ajude esta causa!
ALAAR - Associação Limiana dos Amigos dos Animais de Rua
Tlm: 962 323 356
alaarpl@gmail.com
www.alaar.com


Com o Verão e as férias, muitos esquecem-se de dar a sua pequena contribuição aos animais da ALAAR, o que se tem reflectido no reduzido número de chamadas que temos recebido para o Nº Solidário...
No entanto, as despesas com os nossos patudos são tantas ou mais do que nos outros meses...!
Temos gastos com a alimentação, manutenção e higiene do abrigo, desparasitações (muito importantes nesta altura do ano), esterilizações e outras despesas de saúde.
Tendo em conta que a ALAAR sobrevive apenas de donativos, o valor angariado com as chamadas para o 760 303 160 tem sido fundamental para o equilíbrio das contas mensais desta associação.
Por isso, pedimos que não se esqueçam dos patudos da ALAAR que precisam de uma pequenina ajuda de cada um de vós.
Liguem 760 303 160 tantas vezes quanto possível e divulguem este número.
Temos 300 chamadas até ao momento. Ajudem-nos a chegar pelo menos às 600...!
Obrigado!

in Newsletter ALAAR (27.08.2012)

População mundial poderá ter de tornar-se quase vegetariana para lidar com a falta de alimentos

Aceda ao Relatório “Feeding a thirsty world: Challenges and opportunities for a water and food secure world” na íntegra

Em 2050 a água disponível para a produção de alimentos só será suficiente para garantir uma alimentação que inclua apenas 5% de calorias provenientes de alimentos de origem animal - cuja produção exige 10 vezes mais água do que a dos alimentos de origem vegetal - em vez dos 20% atuais.
O Instituto Internacional da Água de Estocolmo (Stockholm International Water Institute - SIWI) produziu um relatório sobre as tendências futuras no que toca a disponibilidade de água para a produção de alimentos e as suas consequências para a Humanidade num contexto de uma população em crescimento.
O documento intitulado “Alimentando um mundo sequioso: Desafios e oportunidades para um mundo seguro quanto à água e alimentos”, foi dado a conhecer pouco antes do início da Semana Mundial da Água em Estocolmo, um evento organizado pelo SIWI anualmente e cujo “tiro de partida” teve lugar ontem.
Os especialistas que elaboraram o relatório alertam que, à medida que a quantidade de água disponível para a produção de alimentos se tornar cada vez menor e a população humana continuar a crescer, uma das soluções para garantir que haverá alimento para todos passará pela alteração dos comportamentos alimentares.
Segundo os autores da análise agora dada a conhecer “Não existirá água suficientes nas atuais terras cultivadas para produzir alimento para a população estimada em 9 mil milhões em 2050, se se mantiverem as atuais tendências e alterações nas dietas para se tornarem cada vez mais semelhantes ao que é comum nas nações ocidentais”.
Os especialistas são perentórios quando à realidade mundial daqui a pouco menos de quatro décadas “A água disponível será suficiente, “à justa”, se a proporção de alimentos de origem animal [na dieta] se limitar a 5% do total de calorias e as faltas de água a nível regional forem resolvidas por meio de um … sistema de comércio de alimentos de confiança”.
Atualmente, os produtos de origem animal fornecem cerca de 20% das calorias da dieta de um humano, mas é insustentável a longo prazo manter estes níveis de consumo deste tipo de alimentos, uma vez que uma dieta deste tipo implica o consumo de 10 vez mais água que uma dieta vegetariana.
Por outro lado, verifica-se que cerca de um terço da área de terrenos agrícolas a nível mundial é usada para o cultivo de alimentos para animais, algo que será insustentável no futuro. No relatório pode ler-se “Novecentos milhares de pessoas já passam fome e 2 mil milhões de pessoas estão mal-nutridas apesar do facto da produção de alimento per capita continuar a aumentar (…) Com 70% de toda a água disponível a ser utilizada na agricultura, o cultivo de mais alimento para alimentar mais 2 mil milhões de pessoas em 2050 colocará mais pressão sobre a água e a terra”.
No entanto, a questão da segurança alimentar vai-se tornar um problema importante já daqui a 5 anos, segundo a ONU e a Oxfam, que preveem a ocorrência de uma nova crise alimentar. A preocupação é sobretudo com os países da América Latina, Norte de África e Médio Oriente que importam uma considerável parte dos alimentos que consomem e que não poderão pagar os alimentos cujo preço de mercado tem subido de forma acentuada – desde o fim de junho o preço do milho e trigo aumentarem 50% nos mercados internacionais devido à seca nos EUA e Rússia, e às fracas monções na Ásia.

in Naturlink

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A arqueolojista

http://www.arqueolojista.com

Para alegria de todos os lisboetas, turistas e público em geral, a arqueolojista está de volta à cidade, após prolongada e sentida ausência. A menina que desencanta e dá a conhecer, com fotos e textos muito bem apanhados, as velhas lojas de Lisboa e as personagens que as habitam, está de regresso à estrada. Que é como quem diz aos becos e calçadas, às praças e largos, às ruelas e travessas, aos pátios e vilas, desta Lisboa que ela ama. E nós agradecemos.

in Lifecooler

Minas do Lousal - Grândola

Museu Mineiro do Lousal
Telf.: 269508160
Horário: das 10h às 17h (encerra à segunda-feira)
Preços: 1,5€ (individual); 0,75€ (grupos superiores a 10 pessoas); visitas organizadas por escolas e crianças até aos 10 anos não pagam.

Um museu a céu aberto, vivo, com lojas de artesanato e produtos da terra, um excelente restaurante, realidade virtual no centro de ciência, actividades interactivas para as crianças e vários espaços museológicos que permitem espreitar como era o quotidiano das antigas minas.
Ao domingo, eles cantam. Os antigos mineiros levantam a voz, um a um, enchendo a sala do Restaurante Armazém Central com o calor da alma alentejana. Como se o tempo voltasse atrás na aldeia, perdida no extremo sul do concelho de Grândola.
O Lousal chegou a ser o núcleo socio-económico mais importante do município, quando as minas de pirite – desactivadas em 1988 – empregavam três mil pessoas. Hoje, é um daqueles cenários com porta aberta para o passado, onde a cada esquina espreita a memória de um modo de vida que já não volta.
O futuro, contudo, está a ser construído diariamente. Através de um bem sucedido programa de revitalização, nasceram um centro de ciência viva, uma albergaria, oficinas de artesanato, o museu mineiro, o mercado de produtos locais e o restaurante. Os colaboradores, em muitos casos, são antigos trabalhadores da mina ou seus familiares.

Antes dos dinossauros
O Lousal fica actualmente a 40 quilómetros da costa, em linha recta mas há 360 milhões de anos era um oceano de potentes vulcões, aos quais se associaram fenómenos de hidrotermalismo responsáveis pela génese dos depósitos de sulfuretos.
A exploração mineira moderna iniciou-se em 1900 e durou até 1988. Na década de 90, a proprietária Sapec e a Câmara Municipal de Grândola criaram a Fundação Frederic Velge para, com a colaboração de instituições do ensino superior e o envolvimento da população, travar o declínio da comunidade, gerar emprego, preservar a memória e estabelecer um centro de conhecimento. Com sucesso, diga-se.

O primeiro segredo: à mesa
Chega-se ao Lousal através de um corte no IC 1, a norte de Ermidas do Sado e a Sul de Canal Caveira e Azinheira dos Barros. A maioria dos 50 mil visitantes anuais acaba por descobrir facilmente um dos mais preciosos segredos da aldeia – o Restaurante Armazém Central, onde os mineiros ainda cantam, ocupa a antiga central a vapor, no fim da estrada de acesso desde o IC 1. Há migas, jantarinho do monte, ensopado de borrego e sopa de cação, entre outras especialidades. O atendimento é irrepreensível.
No percurso de carro, já se obteve um vislumbre do ambiente, que muitos consideram único: bairros de típicas moradias caiadas, pavilhões industriais em semi-ruína, outros recuperados, o jardim, as casas que foram da direcção, dos técnicos e dos engenheiros, o antigo hospital e a escola primária.
Junto ao restaurante, as lojas de artesanato propõem tapeçarias, bordados, móveis e louça com pintura alentejana, artigos em ferro forjado, mobílias restauradas, mas também compotas e outros elementos da gastronomia regional. O mercado de produtos locais está para reabrir, melhorado.
O museu beneficia de um extenso espólio de documentos, objectos e equipamentos, permitindo espreitar o quotidiano dos anos de prosperidade da mina. O núcleo da antiga central eléctrica apresenta os motores e compressores originais e acolhe uma exposição especialmente interessante para as crianças: 49 modelos de minas do século XIX, quase todos construídos na Real Academia de Freiberg, na Alemanha.

CAVE de realidade virtual
Mas, a mais recente e entusiasmante atracção do Lousal é o centro de ciência viva, um espaço com uma intensa componente lúdica e educativa, a pensar nos mais novos. O principal chamariz é a tecnologia de realidade virtual que permite recriar cenários com imagem, som e cheiro na infra-estrutura CAVE (Computer Assisted Virtual Environment). Há ainda uma área com jogos interactivos e actividades adequadas às crianças. Noutra sala, os visitantes encontram suspensos de uma parede três carochas (o famoso Volkwagen). Um está completo, os outros apresentam-se sem os componentes fabricados com recursos minerais, de modo a expor a dependência humana face ao parque geológico. Brevemente, entram em funcionamento os módulos interactivos para banhos de ciência no antigo balneário.
Há 20 anos que ninguém acede ao coração da mina. O projecto de dinamização turística do Lousal prevê a descida às galerias, através de um elevador panorâmico que levará os visitantes até aos 45 metros de profundidade, equipados com capacete, botas, lanterna e impermeável. Uma viagem a não perder, com certeza. Mas que, por enquanto, repousa no papel.

Cláudio Garcia
in Lifecooler

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Pizza Hut - Caderneta de Descontos

http://www.pizzahut.pt

Vales disponíveis para imprimir em:
http://www.pizzahut.pt/PDF/DESCONTOS_CADERNETA.pdf

Teremos uma "lua azul" depois de amanhã (31 Agosto 2012)

A lua azul ocorre a cada dois ou três anos e 2012 tem uma. Agosto tem duas luas cheias – a primeira aconteceu a dia 2 do mês corrente e a próxima será depois de amanhã. Contudo, os astrónomos indicam que não existe nenhuma relação entre este fenómeno e a época do ano.
O termo lua azul refere-se comummente à segunda Lua cheia que ocorre no mesmo mês. A ocorrência deve-se ao ciclo lunar de 29.5 dias, o que torna perfeitamente possível que esta fase se apresente cheia duas vezes no mesmo mês. Fevereiro é o único mês que não pode ter a Lua Azul, mesmo em anos bissextos.
Aliás, em determinados anos bissextos é possível que Fevereiro nem sequer tenha uma lua cheia. A lua azul, geralmente, acontece no final de Janeiro e a outra no início de Março, ou seja, duas no mesmo ano. Isto ocorre em média a cada 35 anos.
O ano de 1999 teve dois meses de lua azul no mesmo ano – em Janeiro e Março. Agora, o fenómeno só voltará a ocorrer dentro de três anos, na noite de 31 de Julho para primeiro de Agosto de 2015 de acordo com os cálculos dos astrónomos russos acompanham a lua.
Por último, os especialistas destacam que o nome dado a este fenómeno não tem nada a ver com a cor ou a sua aparência. O termo “lua azul” foi traduzido literalmente do inglês, onde azul também significa “traidor”.

in Ciência Hoje

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Pimentos e Cogumelos

Ingredientes
2 pimentos vermelhos
250 grs. de cogumelos
2 colheres de sopa de salsa picada
2 dentes de alho picados
piripiri q.b.
3 colheres de sopa de azeite
3 colheres de sopa de vinho tinto
sal q.b.
pimenta moída na altura q.b.
sumo de limão
1 raminho de tomilho
12 sementes de coentros esmagadas

Confecção
Depois dos cogumelos lavados, corte-os em fatias.
Corte os pimentos em tiras finas.
Amoleça um pouco os pimentos no azeite, numa frigideira.
Junte os cogumelos e o alho, o vinho, umas gotas de sumo de limão, piripiri e 3 colheres de sopa de água.
Adicione os coentros, o tomilho e a salsa.
Tempere com sal e pimenta.
Deixe cozer em lume brando, até os cogumelos estarem tenros o que leva + ou - 10 a 15 minutos.
Acompanhe com pão e manteiga.

Felicia Sampaio
Editora Culinária do Roteiro Gastronómico de Portugal
in Gastronomias

P de Pimento

O pimento é sem sombra de dúvida um “legume” com personalidade. A sua intensidade sensorial suscita paixões e repulsas e faz-se sentir mesmo em pequenas quantidades.
Historicamente, o pimento parece estar intimamente ligado à calorosa personalidade dos povos que dele usufruíam, pois foi a “fogosa” irmandade ibérica que o foi resgatar à América do Sul há já alguns séculos. Mas este paralelismo não se fica por aqui. Tal como nós, os pimentos ao longo da sua maturação vão ganhando umas coisas e perdendo outras.
O mais interessante é que nesta passagem da fase verde da vida para todas as outras cores que pode assumir, os pimentos perdem alguma da sua explosividade com a diminuição do teor de capsaicina (cujas propriedades explicamos abaixo), contrabalançando com o aumento das suas defesas devido à crescente quantidade de carotenos que vão adquirindo. Tomara todos os alimentos possuírem este tipo de “problemas”, que ficam desde logo resolvidos a partir do momento em que nos tornamos artistas e desenhamos um semáforo de pimentos no nosso prato!
E o pimento é de facto um excelente regulador do trânsito intestinal. No entanto, no que toca à sua digestibilidade, o “semáforo verde” pode por vezes ser enganador e levantar algumas indisposições a pessoas menos tolerantes à sua vivacidade.
Se do ponto de vista sensorial o pimento nos ganha ocasionalmente algumas lutas e nos deixa fortemente ruborizados e a beber uns valentes copos de água, também na perspectiva metabólica nos “põe a mexer”. A já referida capsaicina é assim capaz de estimular a produção de hormonas como a adrenalina e, desse modo, aumentar o nosso metabolismo e por consequência as calorias que despendemos.
Para além destes efeitos, parece existir uma capacidade extra deste composto na diminuição da nossa ingestão energética, no aumento de oxidação de gordura e na diminuição dos níveis de colesterol e triglicerídeos. Esta catadupa de benefícios pode por vezes esbarrar no seu consumo excessivo, quer do ponto de vista da quantidade quer da intensidade, existindo uma ténue ligação entre o mais potente chili e o cancro do estômago.
Ainda assim, tendo em conta o nosso historial gastronómico, este não se constitui de todo como um problema, até porque, aproximando-se o Verão, os pimentos convivem paredes-meias com sardinha assada, saladas e outras preparações por norma saudáveis que não menosprezam o seu tremendo potencial antioxidante - uma vez que aos seus carotenos se junta uma quantidade de vitamina C só superada pela da salsa, couve-galega e couve-de-bruxelas (sim, o pimento também tem mais vitamina C do que a laranja).
O pimento tem assim a capacidade de dar corpo e alma a pratos com pouca chama sem ser necessário recorrer às “batotas” do sal e da gordura. O seu sabor nunca gerará consensos. Já os seus benefícios nunca deixarão dúvidas…

Pedro Carvalho, nutricionista (pedrocarvalho@fcna.up.pt)
in Lifestyle Público

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Stacey Kent

What A Wonderful World

Gosto muito!

A ameaça de plástico saltou fronteiras e já está no Atlântico

A área de Portugal, Espanha e Andorra não chegam para preencher a mancha de plástico microscópico do oceano. E há outra no Pacífico

“A era do plástico vai levar ao suicídio da espécie humana.” Sem reservas, o investigador norte-americano Charles J. Moore lança o vaticínio, 15 anos após a descoberta da chamada “Ilha de Plástico do Oceano Pacífico” – uma área de mais de 690 mil quilómetros quadrados, entre a América do Norte e a Ásia, composta por pedaços de plástico de várias dimensões que flutuam à deriva e que matam anualmente mais de um milhão de aves e espécies marinhas. Um problema que já nos bateu a porta e chegou ao Atlântico.
“O paradigma económico obriga-nos a agir de um modo suicida. Agimos dessa forma enquanto espécie apenas para promover crescimento económico, o que é uma loucura. A menos que mudemos esse paradigma, não temos hipótese”, disse Moore ao i. O investigador também é adepto da navegação e, em 1997, participava numa corrida de barcos centenária no Havai quando se deparou com a acumulação de milhões de pequenas partículas de plástico no Pacífico. Passados dois anos, Moore usou métodos científicos para calcular o rácio entre plástico e plâncton na região e chegou a um resultado de seis partes para uma, vantagem para o plástico. “Dez anos mais tarde voltámos ao local e descobrimos que o lago tinha aumentado substancialmente e que o rácio tinha passado para 36 partes de plástico para uma de plâncton”, recorda o investigador.

Problema Global
Na última década e meia, o investigador tem-se multiplicado em palestras sobre o tema. Em Setembro parte para mais um roteiro com passagem pelo Japão, China, Austrália e Nova Zelândia, sinal de que a questão é universal. “O saco de plástico é muito útil e prático, mas usá-lo só uma vez e deitá-lo fora não faz sentido porque o petróleo é um recurso natural não renovável”, sublinha ao i Rui Berkemeier, um dos fundadores da Quercus. “As gerações vindouras vão rir-se com a forma como desbaratámos esse recurso”, antevê o investigador e um dos actuais coordenadores da associação.
Para já, estamos demasiado centrados nas preocupações do dia-a-dia, que nos impedem de ver mais adiante. “Vivemos na era do plástico, em todos os aspectos da nossa vida ele está presente e assumíamos constantemente que era um material inerte”, diz Moore. “Mas esta revelou ser uma falsa assunção, porque o plástico é muito bioactivo”, esclarece o investigador.
Não será preciso esperar para assistir às consequências da existência destas partículas de plástico – a maioria com menos de três milímetros. “Isto está a matar o oceano, haverá colapsos de espécies inteiras, centenas de milhares de mamíferos a morrer todos os anos”, garante Moore, que tem testemunhado de perto esta realidade. “Não podemos fazer isto ano após ano e esperar que essas espécies sobrevivam”, sublinha.
As consequências de se utilizarem os oceanos como um caixote de lixo global recaíram em primeiro lugar sobre os peixes de menor dimensão, que se alimentam do plástico julgando tratar-se de plâncton. A partir daí, a cadeia alimentar foi seguindo o seu percurso natural, até que o ciclo se encerrou quando a questão voltou a focar o ser humano. “Esta realidade afecta todo o ecossistema, e o homem, quer queira quer não, faz parte desse ecossistema. Estando afectado, isto vai causar-lhe problemas, pelo desaparecimento de espécies. Há uma cadeira que fica partida”, esclarece Rui Berkemeier.
Trinta quilos de plástico no estômago de um camelo na África do Sul, pedaços de plástico dentro de ovelhas e bodes no Irão, baleias e golfinhos cujo plano alimentar já integra este derivado do petróleo. Nada que cause estranheza a Charles J. Moore que se refere a esta questão como “um tema subdocumentado globalmente”. E ainda será “preciso percorrer um longo caminho antes que se verifiquem algumas melhorias. Vai ficar muito pior antes que fique melhor”, garante o fundador da Algalita Marine Research Foundation.

Novo vizinho no bairro
Durante mais de dez anos a atenção esteve centrada nos detritos de plásticos existentes no Pacífico. Mas há dois anos, uma equipa de cientistas documentava pela primeira vez a existência de uma área semelhante no Oceano Atlântico, colocando os Estados Unidos entre as duas manchas de plástico no mapa e mostrando ao continente europeu que o problema também lhe diz respeito.
“Temos estilos de vida, por todo o mundo, em que as pessoas lançam de forma rotineira plástico para o ambiente”, lamenta Moore. Não admira por isso que a quantidade de detritos analisada tenha vindo a aumentar continuamente, desde que a ilha de plástico foi descoberta. E apesar de todos os dados trazidos a público sobre as consequências deste problema, a questão “ainda não atingiu o nível” em que se consiga um acordo internacional para definir um plano de acção, aponta o investigador americano.
“No nosso país, esteve para sair legislação que obrigava a que, gradualmente, os supermercados deixassem de oferecer os sacos e, na altura [durante o último governo socialista], PS e PSD acabaram por recuar e não aprovaram essa legislação”, refere Rui Berkemeier.

Legislação
Mudar a lei e proibir a disseminação facilitada de plástico seria uma resposta – já utilizada na Irlanda – para que os mares se tornassem progressivamente mais limpos. Outra hipótese é a renovação de hábitos, mas “os comportamentos não são fáceis de mudar. Se todo o esquema à nossa volta nos induzir no comportamento errado – que é o que se passa hoje, ainda que não tanto como antes –, por mais consciência que as pessoas tenham torna-se complicado”, resume o ambientalista Rui Berkemeier.

Por Pedro Rainho, in Jornal I