sexta-feira, 21 de junho de 2013

No Entardecer dos Dias de Verão

No entardecer dos dias de Verão, às vezes,
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece
Que passa, um momento, uma leve brisa...
Mas as árvores permanecem imóveis
Em todas as folhas das suas folhas
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão,
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria...
Ah, os sentidos, os doentes que vêem e ouvem!
Fôssemos nós como devíamos ser
E não haveria em nós necessidade de ilusão ...
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida
E nem repararmos para que há sentidos ...
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo
Porque a imperfeição é uma cousa,
E haver gente que erra é original,
E haver gente doente torna o Mundo engraçado.
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos,
E deve haver muita cousa
Para termos muito que ver e ouvir ...

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLI"
Heterónimo de Fernando Pessoa

21 Junho 2013 - Solstício de Verão

Solstício de verão é o momento que marca o início do verão. O verão 2013 começa no dia 21 de junho de 2013 exatamente às 05:04 horas em Portugal. Este momento é conhecido como Solstício de verão.

O que acontece no Solstício de Verão?
A astronomia define como Solstício de Verão o momento em que o Sol, assim como o vemos a partir da Terra, atinge a maior declinação em latitude, medida a partir da linha do Equador, em junho no hemisfério norte, e em dezembro no hemisfério sul.

O que quer dizer Solstício de Verão?
O termo "solstício" vem do Latim e é composto por duas palavras: sol (sol) e sistere (que não se mexe). Solstício significa portanto, "sol parado", uma vez que para o observador que está na Terra, o sol parece manter uma posição fixa ao nascer e ao se pôr, durante algum tempo. Solstícios acontecem duas vezes por ano, em junho e em dezembro, definindo as mudanças de estação.
Em junho observamos o Solstício de verão, que coincide com o início do verão no hemisfério norte. Já no hemisfério sul acontece ao mesmo tempo o Solstício de inverno. Por volta de 20 de dezembro acontece o contrário: enquanto o hemisfério norte recebe o Equinócio de outono, chega o Equinócio da primavera no hemisfério sul.

Datas e horas do Solstício de Verão
  • Em 2013, no dia 21 de junho às 05:04
  • Em 2014, no dia 21 de junho às 10:51
  • Em 2015, no dia 21 de junho às 16:38
  • Em 2016, no dia 20 de junho às 22:34
  • Em 2017, no dia 21 de junho às 04:24

in Online24

quarta-feira, 19 de junho de 2013

terça-feira, 18 de junho de 2013

Obra de Eça de Queiroz inspira rota histórica em Leiria

A partir de "O Crime do Padre Amaro", os visitantes percorrem a zona histórica da cidade, num regresso ao século XIX.

Durante cerca de uma hora os participantes fazem uma viagem a finais do século XIX, visitando os locais que Eça de Queiroz retrata no seu livro O Crime do Padre Amaro. Trata-se de mais uma rota histórica e literária que a Câmara Municipal de Leiria acaba de criar, com vista a convidar as pessoas a percorrerem a zona histórica da cidade.
Gonçalo Lopes, vereador da Cultura, está convicto de que aquela rota será um novo produto turístico que atrairá mais pessoas a Leiria. Salientando que a aposta da autarquia é "afirmar Leiria na vertente cultural e literária", o vereador refere que "o desenvolvimento económico da cidade passa, cada vez mais, pelo desenvolvimento turístico".
A visita tem início no Largo do 5 de Outubro de 1910, junto à entrada da Praça de Rodrigues Lobo, onde se recua a 1870, ano em que Amaro, o personagem principal da obra, foi nomeado pároco da Sé e onde Eça de Queiroz descreve as pessoas que frequentavam a então Praça de S. Martinho e os comentários em relação a um eventual envolvimento entre o Padre Amaro e "Ameliazita".
A Rua de Afonso de Albuquerque, a Rua da Misericórdia, a Travessa da Tipografia, o Largo da Sé e a Casa do Sineiro, junto à torre que dá acesso ao Castelo de Leiria, são os restantes pontos da cidade de Leiria onde se desenrola o romance entre Amaro e Amélia, que integram a Rota d' O Crime do Padre Amaro.
Reconhecendo a importância da obra de Eça de Queiroz para Leiria, Gonçalo Lopes considera que aquela pode ser encarada como uma oportunidade de negócio, dando o exemplo da criação de um restaurante ou bar temático. Ou mesmo a criação de merchandising alusivo à obra. Propostas que o autarca pretende, em breve, apresentar a potenciais parceiros.
"Estes produtos turísticos contribuiriam para alavancar o centro histórico de Leiria, que tem como principais factores de atracção o Centro Cívico - Praça de Eça de Queirós, o Castelo, a Sé e a Praça de Rodrigues Lobo", diz o vereador.
A rota queirosiana junta-se à Rota dos Escritores, também promovida pela Câmara Municipal de Leiria, com o objectivo de homenagear os escritores Francisco Rodrigues Lobo, Acácio Paiva e Afonso Lopes Vieira, que nasceram na cidade, assim como Eça de Queiroz e Miguel Torga, que ali viveram.
As rotas poderão ser visitadas de forma guiada por técnicos da autarquia, ou percorrendo a sinalética específica instalada nos diversos pontos da cidade. Os visitantes poderão, ainda, descarregar uma aplicação para smartphone que dá acesso a toda a informação, através de um áudio-guia.
Entretanto, a autarquia está a desenvolver um projecto que permitirá, a partir de 2014, que aquela rota seja encenada por uma companhia de teatro local.

Orlando Cardoso
in Fugas

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Bolsa de terras já abriu

http://www.bolsanacionaldeterras.pt

A Bolsa Nacional de Terras já pode receber ou disponibilizar terrenos pertencentes ao Estado, autarquias e quaisquer entidades públicas ou privadas.
A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, apresenta hoje a Bolsa Nacional de Terras. A partir de agora esta bolsa fica apta a receber ou disponibilizar terrenos pertencentes do Estado, das autarquias e de quaisquer entidades públicas ou privadas.
Entre outros objectivos, a bolsa de terras visa facilitar o encontro entre a oferta e a procura de terras para fins de exploração agrícola, combater o abandono, contribuir para aumentar a dimensão das explorações, aumentar o volume e o valor da produção agro-alimentar nacional e contribuir para a identificação de terras abandonadas. Os interessados poderão obter mais informações em http://bolsadeterras.dgadr.pt.
Alguns críticos desta iniciativa garantem que o que pode vir a acontecer é que terras abandonadas que venham a ser colocadas na bolsa, podem logo a seguir ser resgatadas por alegados donos. A verdade é que a falta de organização cadastral, que afeta todo o país, poderá jogar em desfavor desta iniciativa.

Vítor Andrade
in Expresso

domingo, 16 de junho de 2013

Amor

O teu amor infiltra-se no meu corpo
Tal como o vinho se infiltra na água quando
O vinho e a água se misturam.

Poemas de Amor do Antigo Egipto
Tradução Helder Moura Pereira
Assírio & Alvim