sábado, 29 de dezembro de 2012

O Natal em que fiquei rica

Ser pobre e satisfeito é ser rico. E bastante rico.
William Shakespeare

Havia uma árvore naquele Natal. Não tão grande e frondosa como outras, mas estava pejada de enfeites e tesouros e resplandecia de luzes. Havia presentes, também. Alegremente embrulhados em papel vermelho ou verde, com etiquetas coloridas e fitas. Mas não tantos presentes como de costume. Eu já tinha reparado que a minha pilha de presentes era muito pequena.
Nós não éramos pobres. Mas os tempos eram difíceis, os empregos escassos, o dinheiro à justa. A minha mãe e eu partilhávamos uma casa com a minha avó e com os meus tios. Naquele ano da Depressão, toda a gente espaçava refeições, levava sanduíches para o trabalho e ia a pé para poupar nos bilhetes de autocarro. Anos antes da Segunda Guerra Mundial, já vivíamos no dia-a-dia, como muitas outras famílias, o que então se iria ouvir como slogan: “Usa-o, aproveita-o ao máximo; faz com que funcione, ou passa sem ele.”
Havia poucas escolhas. Compreendia pois porque era tão pequeno o meu monte de presentes. Compreendia, mas sentia, ainda assim, uma ponta de pesar à mistura com um complexo de culpa. Sabia que não poderia haver surpresas empolgantes naquelas poucas caixas vistosamente embrulhadas. E sabia que uma delas tinha um livro. A minha mãe arranjava sempre um livro para mim. Mas nada de vestidos novos, camisolas ou um roupão acolchoado e quentinho. Nenhum dos miminhos tão desejados na altura do Natal…
Havia uma caixa com o meu nome da parte da minha avó. Guardei-a para o fim. Talvez fosse uma camisola nova, talvez um vestido — um vestido azul. A minha avó e eu gostávamos ambas de lindos vestidos e de todas as tonalidades de azul. Soltando os devidos “Ohs” e “Ahs” ao ver a aromática barra de sabonete feito de mel, as luvas vermelhas, o já esperado livro (um novo da Nancy Drew!), rapidamente cheguei àquele último embrulho. Dei por mim a sentir uma centelha do entusiasmo do Natal… Era uma caixa bastante grande. Com vergonha de mim mesma por ser tão gananciosa, por esperar receber um vestido ou uma camisola (mas esperando na mesma!), abri a caixa.
Meias! Só meias! Soquetes, meias altas, até mesmo um par daquelas meias horrorosas de algodão branco que estavam sempre a escorregar e se enrodilhavam em volta dos joelhos.
Esperando que ninguém tivesse dado conta do desapontamento, peguei num dos quatro pares e agradeci à minha avó, com um grande sorriso. Ela também sorria. Não com o seu sorriso educado e distraído de “Sim, querida,” mas com o seu sorriso feliz e radiante, de “Isto são coisas importantes para uma mulher!” Será que me esquecera de alguma coisa? Olhei de novo para a caixa no chão — nada, a não ser as meias. Só que agora eu conseguia ver que havia outro par por debaixo do que eu tinha pegado. Duas camadas de meias. E mais uma! Três camadas de meias!
A sorrir de verdade, comecei a retirá-las da caixa. Meias cor-de-rosa, meias brancas, meias verdes, meias de todos os tons inimagináveis de azul. Toda a gente estava a olhar, rindo comigo, enquanto eu atirava as meias ao ar e as contava. Doze pares de meias!
Levantei-me e dei um abraço tão apertado à minha avó que até nos doeu às duas. “Feliz Natal, menina Joan!” disse ela. “Agora, todos os dias, terás muitas escolhas a fazer. Estás rica, minha querida! ” E era verdade. Naquele Natal e durante todo o ano, todas as manhãs, eu escolhia do meu elegante armário da roupa interior qual o par de meias a usar. E sentia-me rica. E ainda sinto!
Mais tarde, a minha mãe disse-me que a minha avó tinha andado a esconder aquelas meias durante quase um ano — poupando todas as moedinhas, comprando um par de cada vez. Um dia, tendo visto um lindo par de meias azuis com as beiras elásticas bordadas à mão, ela pedira mesmo ao compreensivo vendedor para deixar um sinal a reservá-las durante três semanas.
Dentro daquela caixa estava embrulhado um ano de amor.
Foi um Natal que eu nunca esquecerei.
A prenda da minha avó mostrou-me como as pequenas coisas podem ser importantes.
E como o amor nos faz a todos imensamente ricos.

Joan Cinelli
Jack Canfield & Mark Victor Hansen
Chicken Soup for the Soul – Christmas Cheer
Chicken Soup for the Soul Publishing, LLC, 2008
(Tradução e adaptação)

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Sangue no Telemóvel - Documentário PT

http://www.youtube.com/watch?v=HJjRN1brYfs

Milhões de vidas do Congo são tiradas por causa do comércio do COLTAN.

Rezar é ficar em silêncio e estar em silêncio

Quando a minha oração se foi tornando cada vez mais devota, comecei a ter cada vez menos o que dizer. Por fim, fiquei em silêncio total. Tornei-me no que porventura ainda é um grande oponente à conversa, tornei-me em alguém que escuta. Inicialmente pensava que rezar era falar; aprendi, porém, que rezar não é apenas ficar em silêncio, mas escutar. Então é assim: rezar não é apenas ouvirmo-nos a falar. Rezar é ficar em silêncio e estar em silêncio, e esperar até que o Deus que reza escute.

Kierkegaard

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

My Umbrella

http://myumbrella.pt

O Inverno já chegou e não há como fugir dela, da chuva. Pouca gente gosta de andar com acessórios para se abrigarem das águas frias desta estação mas isso é porque não conhecem a My Umbrella com chapéus originais que dizem muito sobre quem os usa. Os desenhos são impressos por processo serigráfico manual com tintas amigas do ambiente e as aplicações são cosidas à mão. Há chapéus transparentes, coloridos e outros mais discretos. O mais leve pesa menos de 200 gramas e o mais pesado anda pelos 260 gramas. E vai ser como diz a sua criadora “como num dia de chuva ele se pode tornar um pequeno raio de sol.”

in Lifecooler

Fortalezas da costa norte abertas a visitas

http://www.portoenorte.pt

O Turismo do Porto e Norte lançou uma nova brochura turística dedicada às Fortalezas da Costa Norte de Portugal. Com 46 páginas, disponibiliza informações detalhadas sobre estes locais históricos à beira mar e respetivas zonas envolventes. Os monumentos passam também a estar abertos ao público para visitas, numa iniciativa que pretende dinamizar o turismo costeiro e ligado ao mar.

Tome nota das 10 fortalezas:
Fortaleza de Caminha
Forte da Ínsua (Moledo)
Forte da Lagarteira (Vila Praia de Âncora)
Fortaleza de Santiago da Barra (Viana do Castelo)
Fortaleza de São João Baptista (Porto)
Forte de São Francisco Xavier (Porto)
Fortaleza de Nossa Senhora das Neves (Matosinhos)
Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição (Póvoa de Varzim)
Forte de São João Baptista (Vila do Conde)
Forte de Esposende

in Lifecooler

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Nata Lisboa abre na Bica

Quentes, estaladiços, ligeiramente queimados e com muita canela. A segunda loja da marca NATA Lisboa, um conceito dedicado à divulgação do pastel de nata português, acaba de abrir no nº 18 da Calçada do Combro, junto ao Elevador da Bica. Depois da abertura da primeira loja, no Príncipe Real, no início do verão, este segundo espaço vai estar aberto todos os dias, como convém. De segunda a quinta das 8h às 22h e à sexta e ao sábado até às 02h. Ao domingo também há pastéis a sair, entre as 10h e as 18h. Um por dia, mal não lhe fazia.

in Lifecooler

ALAAR Festas doces

Chamada Solidária: 760 303 160 (custo 0,60 eur + IVA)
ALAAR - Associação Limiana dos Amigos dos Animais de Rua
Tlm. 962323356
alaarpl@gmail.com
http://www.alaar.com  

 

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

O Nascimento de Jesus

post repetido

Por aqueles dias, saiu um édito da parte de César Augusto, para ser recenseada toda a terra. Este recenseamento foi o primeiro que se fez, sendo Quirino governador da Síria. E iam todos recensear-se, cada qual à sua própria cidade. Também José deixando a cidade de Nazaré, na Galileia, subiu até à Judéia, à cidade de David, chamada Belém, por ser da casa e da linhagem de David, a fim de recensear-se com Maria, sua mulher, que se encontrava grávida. E quando eles ali se encontravam, completaram-se os dias de ela dar à luz e teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoira, por não haver lugar para eles na hospedaria. Na mesma região encontravam-se pastores, que pernoitavam nos campos guardando os seus rebanhos durante a noite. O anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu em volta deles, e tiveram muito medo. Disse-lhes o anjo: “Não temais, pois vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.” De repente, juntou-se ao anjo uma multidão de exército celeste, louvando a Deus e dizendo: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de Seu agrado.” Quando os anjos se afastaram em direcção ao Céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos então até Belém e vejamos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.” Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino, deitado na manjedoura. E quando os viram, começaram a espalhar o que lhes tinham dito a respeito daquele Menino. Todos os que os ouviram se admiraram do que lhes disseram os pastores. Quanto a Maria, conservava todos essas coisas ponderando-as no seu coração. E os pastores voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham visto e ouvido, segundo lhes fora anunciado.

Lucas 2,1-20

domingo, 23 de dezembro de 2012

Poema de Natal

Retábulo (1954)

Estranho Menino Deus é o dum poeta!
O que nasce e renasce há muitos anos
Na minha noite de Natal, fingida,
Mal corresponde à imagem conhecida
Das sucursais do berço de Belém.
É uma criança tímida que vem
Visitar os meus sonhos, e, ao de leve,
Com mãos discretas, tece
Um poema de neve
Onde depois se deita e adormece.

Miguel Torga