sábado, 2 de dezembro de 2006

Letras

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo

Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Hoje fiz a minha Árvore de Natal!

É uma árvore repleta de lembranças: o sininho da nossa infância; o cogumelo e o sapato new vogue da loja da ti´Ercília; o boneco de neve da Ir. Asúncion (México); a bola vermelha (IKEA) e o anjo de pano da Inês (Leiria); o morango e a maçã da prima Tânia; o anjo em vidro da Teresa; o anjo gordinho da Catarina; os dois sinos com a sagrada família em miniatura e prata da Ir. Natália; o coração em madeira com um casalinho do Duarte (Alemanha); os presentes em miniatura que fiz, com a mãe, há 15 anos, em pano e esferovite e que ainda resistem; a coleira vermelha da Maria; a almofadinha em pano da prima Deolinda; o coração vermelho do amor; o laço brilhante da prenda da tia Fernanda; a bola amarela de 2000 (que roubei à saída de um jantar de festa no meu restaurante chinês preferido); o amuleto verde da Mónica... e mais existem, para contarem histórias, para iluminarem esta época de partilha, amor e alegria.
Esta é a Árvore da minha Vida, que vai continuar a receber nos seus ramos pequenos legados de magia.
Workshop de Caligrafia Japonesa
4, 5, 6 e 7 de Dezembro de 2006
17h00 às 18h20
Gratuito
Inscrições na bilheteira da Culturgest (até 25 pessoas por dia)
Informações:
21 790 51 55
culturgest@cgd.pt
www.culturgest.pt/actual/workshop_nk.html

"Caligrafia Japonesa ou Shodo – breve descrição: Caligrafia ou shodo é a arte japonesa de escrever com pincel usando tinta-da-china. A caligrafia, entre os japoneses, é considerada uma arte com uma forte densidade espiritual que teve a sua origem na China, no século VI ou VII A.C., mas com um forte desenvolvimento no Japão, com um carácter muito próprio pois, a par dos ideogramas chineses ou kanji, transcreve também os caracteres japoneses kana. As obras de caligrafia são admiradas pela composição e forma equilibradas da apresentação dos caracteres no papel e também pela maneira como os artistas utilizam o pincel na sua criação artística. Dada a sua importância entre os japoneses, a caligrafia faz parte do currículo dos alunos durante o ensino básico, sendo que no início do ano escolar as crianças realizam uma actividade, designada por kakizome, onde cada uma delas cria a sua própria obra de arte, simbolizando os seus desejos para o ano que se avizinha. Algumas crianças têm até aulas fora do seu horário curricular de forma a desenvolverem as suas capacidades artísticas.
Informações para o participante:
Não necessita de ter conhecimento da língua japonesa;
Não necessita de levar qualquer tipo de material – a Embaixada do Japão disponibilizará todo o material necessário para o workshop;
Conselho: recomenda-se que o participante não use roupas claras ou que leve um avental pois a tinta utilizada na caligrafia não sai da roupa."

In site: http://www.culturgest.pt/actual/workshop_nk.html

quinta-feira, 30 de novembro de 2006

quarta-feira, 29 de novembro de 2006

Presentes Solidários
Fundação Evangelização e Culturas


"O Natal está já aí e por isso apresentamos-lhe uma ideia inovadora para oferecer como presente de Natal.
Através da Campanha Presentes Solidários, pode escolher um ou mais de entre sete presentes, em nome de um amigo, familiar ou colega de trabalho. Penso que é importante referir que estes presentes não se esgotam no momento, ou seja, são presentes úteis, que trazem esperança, com vista ao desenvolvimento nos respectivos países. Imagine que oferece doze galinhas para o Brasil, em nome de um próximo seu! A família no Brasil que irá receber as galinhas poderá fazer criação para consumo e/ou poderá vender e estabelecer um negócio próprio.
Imagine qual será a reacção deste seu amigo… Penso que será uma reacção de surpresa e de agrado por ver um presente com real utilidade e que vale mesmo a pena!
A Fundação Evangelização e Culturas procura, com esta campanha, transformar a vida de inúmeras pessoas que vivem em situações precárias nos países de língua portuguesa.

Imagine a diferença que estes presentes solidários podem fazer na vida de tantas famílias vulneráveis e comunidades carenciadas.
Acredite que este seu gesto pode fazer a diferença nas famílias que tiverem a sorte de contar com a sua generosidade.
Veja em
a lista de presentes que pode oferecer e encomende já.
Já imaginou o impacto que milhares de presentes solidários poderão ter? Compre um presente solidário e contribua para o importante trabalho que desenvolvemos nos países Lusófonos, em conjunto com os nossos parceiros: Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, Franciscanos Capuchinhos, Instituto Missionário da Consolata, Irmãos de S. João de Deus e Instituto Missionário de São João Eudes.
Informamos que as encomendas terão que ser efectuadas até ao dia 15 de Dezembro.
Para onde vai o meu dinheiro?
Ao escolher um Presente Solidário do nosso catálogo já está a decidir de que forma o seu dinheiro irá ser empregue, visto que cada presente corresponde a um país lusófono.

Se, por exemplo, optar por um kit enxada + sementes, esta compra significa que o seu dinheiro irá ser entregue ao nosso parceiro em Angola que irá adquirir o kit no próprio país (uma forma de contribuir para o desenvolvimento económico local). De seguida, a enxada e sementes serão entregues a uma família vulnerável, que poderá dessa forma alimentar-se das plantações pessoais e/ou estabelecer um negócio. Se escolher uma rede mosquiteira, estará a contribuir para que, numa família moçambicana, exista um menor risco de contrair malária, e desta forma, salvar vidas. E tudo isto com o seu dinheiro.
Independentemente do Presente Solidário que escolher, estará a transformar vidas nos países em Desenvolvimento. A Fundação Evangelização e Culturas assegura que todo o dinheiro adquirido ao abrigo desta Campanha irá ser utilizado na compra dos Presentes Solidários, através dos nossos parceiros no terreno: Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, Franciscanos Capuchinhos, Instituto Missionário da Consolata, Irmãos de S. João de Deus e Instituto Missionário de São João Eudes.
Mais informações:
Fundação Evangelização e Culturas

Campo Santana, nº 43 – 2º
1150-225 Lisboa - Portugal
Telefones:(351)218861710; (351)21885 5478; (351)966299246; (351)919975974
Fax: (351) 21 886 17 08
E- mail: fec.geral@mail.telepac.pt
www.fecongd.net

In site: http://www.agencia.ecclesia.pt/instituicao/pub/51/seccao_presentes.asp

terça-feira, 28 de novembro de 2006

Não deveria ser o contrário? Parque Eólico "ameaça" colónia de morcegos?

Colónia de morcegos “ameaça” parque eólico
Segunda-Feira, 27 de Novembro de 2006

"Aerogeradores podem vir a ser desmontados no Parque Natural da Serra da Estrela.
Os parques eólicos de Alvoaça e Videmonte, que ainda não estão a funcionar, podem estar em risco, caso se confirme serem prejudiciais para uma colónia de morcegos.
A sobrevivência duma colónia de morcegos pode provocar o desmantelamento do parque eólico de Alvoaça, um dos dois actualmente em construção na zona protegida da Serra da Estrela. Já em fase de conclusão, as máquinas estendem-se pelos concelhos de Seia e Covilhã, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), local também escolhido para o parque eólico de Videmonte, em Celorico da Beira.
Duas estruturas que, apesar de produzirem energias limpas e renováveis, são contestadas pelos ambientalistas da Liga para a Protecção da Natureza (LPN) e da Quercus, preocupados com os prejuízos causados aos animais e à vegetação existentes.
O desmantelamento dos gigantescos aerogeradores que afectem a população de morcegos de Alvoaça está previsto na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do parque eólico, assinada em Maio de 2004 pelo então secretário de Estado do Ambiente, José Eduardo Martins.
Questionado pela agência Lusa, o director do PNSE, Fernando Matos, assumiu que a decisão será tomada de acordo com a lei, após análise do plano de monitorização daqueles animais. "Quem faz o plano não é o Parque Natural, é uma entidade privada. Nós temos de o analisar e decidir de acordo com a lei", sustentou.
Fernando Matos, minimiza a questão, afirmando que os dois parques, foram os únicos autorizados por se situarem na periferia do PNSE, "numa zona complementar, com menos condicionalismos" do ponto de vista da preservação de animais e plantas.
O responsável explicou que o plano de ordenamento do PNSE prevê a instalação e utilização de energias alternativas e que as propostas são analisadas caso a caso. “Situações que não vamos permitir é a introdução em zonas mais sensíveis, como a zona de reserva biogenética", garantiu.
Segundo Fernando Matos, no caso de Alvoaça, os responsáveis da zona de paisagem protegida exigiram a alteração da localização de aerogeradores por coincidirem com alguns valores naturais e vestígios arqueológicos que tiveram de ser preservados. "Houve uma série de condicionalismos colocados à empresa, que acabou por os aceitar" sublinhou Fernando Matos.
* Agência Lusa
Sem data para funcionar

Quanto a futuros parques eólicos na área do PNSE, Fernando Matos aludiu a uma única proposta, na zona de Manteigas, "mais atrasada" e que ainda não possui estudo de impacte ambiental. Segundo o responsável do PNSE o parque de Celorico da Beira, da empresa Gamesa, "irá ser inaugurado em breve". O da serra da Alvoaça, da Enernova (grupo EDP), ainda não há data prevista para entrar em funcionamento.
Ambientalistas criticam estrutura

Parque da Serra da Alvoaça “foi asneira prévia”
Liga da Protecção da Natureza (LPN) e Quercus dividem-se quanto à possibilidade de concretização do desmantelamento dos parques eólicos: a primeira duvida que venha a ocorrer, a segunda não está assim tão céptica. "Não acredito, mas devia ser assim, porque foi uma asneira prévia” disse à Lusa Eugénio Sequeira, presidente da LPN.Já Samuel Infante, da delegação de Castelo Branco da Quercus, observa que o desmantelamento "é fácil do ponto de vista técnico". E adianta: "Caso fiquem provados os impactos, se houver mortalidade de animais, será preciso desmontar as estruturas dos aerogeradores eólicos".
Justificando a posição contrária à construção deste tipo de parques nas zonas protegidas, a Quercus recorda que os geradores causam sempre impactos negativos devido às infra-estruturas anexas e estradas em zonas antes inacessíveis, onde ocorrem atropelamentos de animais, e linhas eléctricas onde as aves podem embater. "Resulta em perdas de habitat. O território nacional é tão extenso que é um disparate estar a sobrecarregar as áreas protegidas" frisou Samuel Infante.
Eugénio Sequeira, afirmou que o parque da Serra da Alvoaça "nunca devia ter sido montado quando há fauna a preservar". A LPN considera que, em Portugal, os planos de monitorização estão a ser mal medidos" e os estudos "mal feitos", defendendo, ao invés de análises caso a caso, um plano global para o País, a elaborar pelo Governo."
José Luís Sousa

In site: www.diarioxxi.com

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

MateMágica

1 x 8 + 1 = 9
12 x 8 + 2 = 98
123 x 8 + 3 = 987
1234 x 8 + 4 = 9876
12345 x 8 + 5 = 98765
123456 x 8 + 6 = 987654
1234567 x 8 + 7 = 9876543
12345678 x 8 + 8 = 98765432
123456789 x 8 + 9 = 987654321


1 x 9 + 2 = 11
12 x 9 + 3 = 111
123 x 9 + 4 = 1111
1234 x 9 + 5 = 11111
12345 x 9 + 6 = 111111
123456 x 9 + 7 = 1111111
1234567 x 9 + 8 = 11111111
12345678 x 9 + 9 = 111111111
123456789 x 9 +10= 1111111111


9 x 9 + 7 = 88
98 x 9 + 6 = 888
987 x 9 + 5 = 8888
9876 x 9 + 4 = 88888
98765 x 9 + 3 = 888888
987654 x 9 + 2 = 8888888
9876543 x 9 + 1 = 88888888
98765432 x 9 + 0 = 888888888


1 x 1 = 1
11 x 11 = 121
111 x 111 = 12321
1111 x 1111 = 1234321
11111 x 11111 = 123454321
111111 x 111111 = 12345654321
1111111 x 1111111 = 1234567654321
11111111 x 11111111 = 123456787654321
111111111 x 111111111=123456789 87654321

In blog: http://aqblogal.blogspot.com/

domingo, 26 de novembro de 2006

Estes bolinhos são muito fáceis de fazer (são óptimos para serem feitos com as crianças) e devem ser guardados, bem fechados, numa caixa própria para bolos/bolachas para ficarem crocantes.
Entre parêntesis algumas notas para melhor resultados.

Bolinhos de Canela
Felicia Sampaio
Editora Culinária do Roteiro Gastronómico de Portugal

Ingredientes:
2 ovos (à temperatura ambiente)
200 grs. de açúcar amarelo
150 grs. de manteiga ou margarina amolecida
1 colher de sopa de canela em pó
400 grs. de farinha com fermento
uma pitada de sal
uma pitada de cravinho em pó
Confecção:
Bata o açúcar com a margarina amolecida, até obter um creme liso (bater muito bem, cerca de 10 minutos).
Junte a canela a pitada de sal e cravinho (e volta a bater).
Adicione os ovos e bata bem.
Por fim, junte a farinha e misture até obter uma massa bem ligada.
Deite colherezinhas desta massa sobre um tabuleiro polvilhado com farinha (e untado com manteiga) e coza durante 20 minutos em forno moderado.

In site: http://www.gastronomias.com/doces/doce1241.htm